Terça-feira, 7 de Abril de 2009

foto do dia!!

e mais uma vez aqui vos deixo as foto do dia!!!

 

 

a isto é que eu chamo simpatia!!!!!!!!

 

amor mesmo!!!!

 

(imagem retirada da net!)

 

sinto-me:
Quinta-feira, 5 de Março de 2009

letting you go (quinta parte)

Amar-te era ver-te ali ao meu lado, e agarrar-te com medo que, o mundo te dissipasse. Agarrar-te com medo de te perder, com medo de não saber sorrir, nem viver sem te ter ali. Amar-te era a minha maior maldição, o meu maior feitiço.

Contudo, amar-te era também a razão que me fazia sorrir, e que fazia o meu coração bater descompassadamente afortunado. Amar-te era o meu maior pecado, e talvez o meu maior erro.

Agilmente porque o tempo, e o amor são hábeis mágoas de quem sabe sonhar. A brisa que se fazia sentir, foi se transformando em algo mais forte, e ao mesmo tempo o brilho incandescente do dia, transfigurava-se em cinzento.

Insensata e sonhadoramente falaciada, ia olhando para o mundo. Acreditando que esse olhar me era devolvido. Olhava e ia-lhe pedindo paciência, e tempo. Olhava para ti e pedia-lhe tempo, tempo para te ter aqui e para te amar.

Lentamente, ia vendo o teu olhar encontra-se de novo no meu, e embora estivesses perto, embora fosses meu, sentia-te fugir. Sentia-te voar, enquanto eu te tentava agarrar e prender-me a ti. Mas não…não conseguia, tentava mas tu escapavas. Qual água, que fundida nas minhas lágrimas, e perdia-se por entre os dedos.

E de repente o teu olhar doeu-me. Como se fossem brasas de um fogo que ao queimar, me torturava. Subitamente o teu calor…o nosso calor, que me soube a amargo, e a fel. Tentei respirar, mas tudo o que inalei foi o perfume da tua essência, e isso feriu-me. Amar-te era tortura, fogo que ardia no fel, da nossa essência e paixão. Amar-te era o meu pior karma, destino ou maldição.

 

 

Sem que soubesse evitar senti o teu olhar ler o meu, e vi o teu sorriso ferir-me mais uma vez. De uma forma simples, mas ingratamente perfeita, senti o teu corpo envolver-me num abraço, que eu precisava. Abraço que deixou os nossos olhares colados, frente a frente. Abraço que sendo perfeitamente o que eu precisava e queria, me fez fechar as pálpebras e soltar grossas lágrimas, que se fundiram no toque gélido dos nossos lábios, enquanto a minha alma e coração se estilhaçavam.

Lentamente senti o frio do nosso beijo dissipar-se, ao mesmo tempo que o teu abraço, levemente ia abandonando o meu corpo. E ainda de pálpebras fechadas ia contemplando o que restava de mim. Senti-me a procurar forças para não desistir, e encarar de novo o mundo. Forças para abrir os olhos, e ver-te perfeitamente humano, ali mesmo junto a mim.

 Quando o fiz, senti uma luz encandear-me, e um vazio se ir ocupando de mim. Rapidamente procurei-te mas não, não te encontrei. Procurei e voltei a procurar, enquanto esfregava os meus olhos ainda encandeados. Procurei e lutei, enquanto sentia a minha alma tremer. Louca perdida a tua procura. Chamei-te e voltei a chamar, mas nada somente o eco ficava, enquanto o medo e a solidão me preenchia mais e mais

Então timidamente, o meu olhar foi ganhando forma, e aos poucos fui vislumbrando os objectos que formavam o meu quarto.

 

Olhei para a janela, tendo a certeza que desta vez o mundo me devolvia o olhar, e chorei admitindo a crueldade daquilo a que chamavam verdade.

Subitamente senti-me tão sozinha quanto podia estar. Quis um abraço, um qualquer abraço quente, que me envolvesse. Quis um olhar e palavras de conforto. Um sorriso, um ser, uma alma. Alguém que me envolvesse e torna-se clara a razão de sonhar e amar. Então de uma forma cruel, senti o que restava de mim se dissipar no vazio e ser consumido pelo eco daquelas paredes, quando sequei as lágrimas dos meus olhos.

Tentei erguer a cabeça e olhar pela janela, quando o som alegre de sorrisos me feria. Por entre os olhos enublados pelas lágrimas, pouco a pouco foram tomando forma de duas crianças inocentes. De alguma forma, queria que a felicidade delas me preenche-se, mas não em vez disso cada sorriso e gota de inocência dos dois feria-me ainda mais.

Foi de forma cruel que percebi, que a vida havia completado mais uma vez o seu ciclo. E enquanto eu ia despertando para a vida, abrindo os olhos e procurando forças para lutar. Algures por detrás daquela janela duas crianças brincavam, com o fogo que eu já havia saboreado, recomeçavam um novo ciclo no toque leve e tímido dos lábios dos dois.

 

 

 

 

malta!!!!!!!

 

pois é eu sabia que vocês já estavam fartos desta história, qe nunca mais chagava ao fim  entao aqui esta ele o fim, do letting you go!!!!! 

desta vez e para contradiar as tendências de serem sempre finais felizes, tcharammm!!!!!!!!!! mas divitam-se e sorriam afinal...depois da tempestade...

deixo este final ao critério de cada um, esperando que vocês nunca se esqueçam que sonhar e amar podem ser os maiores infurtúnios de que vive, mas a vida sem eles simplesmente nao é a mesma!!! com os sem sonhos, sejam felizes porque o tempo não espera por nós!!!!!!

sempre aqui...

guigas...

sinto-me: a crescer!!!!
música: no air - jordin sparks ft chris brown

mE

os segredos mais recentes!!

foto do dia!!

letting you go (quinta pa...

o melhor do vento...

sente os meus passos!

Segredar ao vento ... shi...

segredos arquivados

Fevereiro 2010

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28

tags

todas as tags

está na hora de sorrir para a vida

ando com os olhos...

quantos vagueiam no vento

hoje foste o número...

Hit Counter
Free Counter

mimos entregues ao blog

ps.

* a imagem deste template foi obtida do site www.templatesdalua.com, não tendo tido eu qualquer responsabilidade na sua criaçao. * as imagens que ilustram os post são obtidas na internet, nao tendo eu tido qualquer responsabilidade na sua criaçao.
blogs SAPO

subscrever feeds